A competitividade na busca de uma melhor oportunidade de trabalho

Michael Porter é mundialmente conhecido pelos seus livros e artigos que abordam os temas de Estratégia e Vantagem Competitiva, sendo seu framework das cinco forças para definir a competitividade e a atratividade de determinados mercados, um elemento extremamente importante para o entendimento de como funciona a competitividade do mercado e como agir a fim de sobreviver neste mundo cada vez mais competitivo.

Para relacionar o framework das cinco forças com a gestão de carreira sob a ótica do profissional, é possível identificar como cada uma destas “forças” estão relacionadas à competitividade do mercado na busca de melhores oportunidades de trabalho.

A primeira força, denominada poder de barganha dos fornecedores, que na carreira de um profissional esta relacionada às universidades, centros de treinamento e certificação. Estas universidades e centros de treinamento permitem que o profissional possa adquirir uma formação adequada (matéria-prima) para atuar no mercado, e determinam as exigências e qualificações mínimas para a capacitação dos profissionais.

O poder de barganha das universidades e centros de treinamento e certificação envolve muitas vezes a dificuldade de um profissional desenvolver uma formação que se mostre como um diferencial no mercado, como no caso de graduações, MBAs, mestrados e doutorados em universidades de renome, ou certificações que exijam alto grau de capacitação e experiência.

A segunda força, denominada poder de barganha dos clientes, na gestão de carreiras é possível relacionar aos empregados, que definem requisitos e responsabilidades mínimas para o profissional ser aceito pela empresa, e os benefícios muitas vezes vinculados à escassez da formação e experiência deste profissional.

Dos requisitos, podemos identificar os requisitos essenciais que definem o mínimo que o profissional precisa ter para ocupar determinado cargo (ex.: DBA conhecer SQL, Programador .NET conhecer VB ou C# …) e requisitos complementares e específicos, que diferenciam o que o empregador precisa do profissional para conseguir ocupar o cargo pretendido numa dada empresa, como por exemplo as empresas de atuação internacional exigem profissionais que sabem dois ou mais idiomas, e as empresas que possuem certificações ISO ou CMMI exigem profissionais que tenham experiência em organizações com qualificações semelhantes .

A respeito dos benefícios, estes variam com a escassez e a necessidade do mercado por um profissional com um determinado tipo de formação e experiência, assim como os salários de profissionais de TI que estão hoje acima da média dos profissionais de outras áreas de atuação, devido a atual escassez (lei da oferta e da procura).

A terceira força esta relacionada às ameaças de substitutos, como no caso dos computadores “desktops” que são aos poucos substituídos por tecnologias móveis (notebooks, netbooks, tablets e celulares). No caso dos profissionais, há possibilidade de ser depreciado (ou até mesmo descartado) pelo mercado por não se capacitar e adquirir novas experiências.

Na área de TI é raro ver uma tecnologia ser completamente substituída, pois ao mesmo tempo que surge a necessidade de profissionais que possuem competências em novas tecnologias, também surge a necessidade de profissionais que possuem competências em tecnologias mais antigas, seja para manutenção ou para novas implementações, pois o legado de TI possui uma sobrevida relativamente alta (ex.: COBOL), além de oferecer muitas oportunidades à profissionais que pretendem entrar no mercado.

A quarta força esta relacionada às ameaças de novos entrantes, isso diz respeito na gestão de carreiras à facilidade de profissionais que estão entrando no mercado substituir aqueles já que estavam lá, como por exemplo, os profissionais com baixo nível de capacitação que são substituídos por outros que estão entrando no mercado que já possuem um nível de capacitação equivalente ou requerem salários mais baixos.

A quinta força esta relacionada à competitividade interna do próprio mercado, onde profissionais que possuem capacitações diversas concorrem por melhores empregos, bons empregadores e melhores currículos.

A quinta força pode ser vista sob outra contribuição de Porter, ao analisar como fomentar vantagens competitivas sob a ótica do “custo”, da “diferenciação” e da “especialização”.

Em relação ao “custo” na gestão de carreira, podemos identificar os novos entrantes do mercado como os estagiários e profissionais que conseguem boas oportunidades por exigirem salários relativamente baixos, ou aqueles atuam como consultores ou terceirizados de acordo com as demandas dos empregadores/clientes.

No que tange a “diferenciação”, temos os profissionais que possuem competências dadas como escassas no mercado, como profissionais com experiência e formação que os tornem melhor capacitados que outros.

Sobre a ótica da “especialização”, teremos os profissionais com alto grau de domínio em determinadas tecnologias (ex.: profissionais com certificações MCM, MCA, ITIL Master, OCM) ou que relacionem competências distintas (ex.: gestores de projetos de TI, profissionais de TI que atuam com dados espaciais, desenvolvedores de jogos, analistas de sistemas com formação em engenharia civil ou florestal) se tornando extremamente importantes para determinados ramos do mercado.

Dado este experimento de vincular o conceito de gestão de carreira e ao framework de Porter com a finalidade de definir como se dá a competitividade dos profissionais na busca por melhores colocações no mercado, espero que além do entendimento a respeito do tema, que seja possível ao leitor se identificar no meio deste mundo competitivo e procure através de um bom planejamento de sua carreira uma colocação que permita sua autorrealização.

Questão de SQL no POSCOMP 2011

E ai pessoas!

Estes dias, meu amigo Vitor Augusto (@VitorBitner) que realizou a pouco tempo o teste do POSCOMP, me encaminhou uma das questões que caíram no teste relacionadas á linguagem SQL, bem divertida por sinal.

Abaixo a questão:

51. Considere a relação a seguir, definida na linguagem SQL padrão.

CREATE TABLE EMPREGADO (
CODIGO NUMBER(4) PRIMARY KEY,
NOME VARCHAR2(10),
SALARIO NUMBER(7,2)
)

Considere também as consultas (C1, C2, C3 e C4) a seguir, expressas na linguagem SQL.

C1:

select NOME from EMPREGADO
where CODIGO in (
(select CODIGO from EMPREGADO)
minus
(select E1.CODIGO from EMPREGADO E1, EMPREGADO E2
where E1.SALARIO < E2.SALARIO)
)

Obs: o operador minus realiza a operação de subtração entre relações.

C2:

select NOME from EMPREGADO
where SALARIO = (select max(SALARIO) from EMPREGADO)

C3:

select NOME from EMPREGADO
where SALARIO >= all (select SALARIO from EMPREGADO)

C4:

select NOME from EMPREGADO
where CODIGO in (
select E1.CODIGO
from EMPREGADO E1, EMPREGADO E2
where E1.SALARIO > E2.SALARIO
)

Com relação às consultas, assinale a alternativa correta.

a) Apenas as consultas C2 e C3 são equivalentes.
b) Todas as consultas são equivalentes.
c) Apenas as consultas C1 e C3 são equivalentes.
d) Apenas as consultas C1 e C4 são equivalentes.
e) Apenas as consultas C1, C2 e C3 são equivalentes.

Visto que não se trata de T-SQL, e não possuímos dados para testes, vamos adequar o código simular o cenário no SQL Server:

CREATE TABLE EMPREGADO (
	CODIGO INT,
	NOME VARCHAR(10),
	SALARIO DECIMAL(7,2),
	CONSTRAINT PK$EMPREGADO PRIMARY KEY (CODIGO)
)
GO

INSERT INTO EMPREGADO
VALUES
(1, 'José', 100.00),
(2, 'Agnaldo', 120.00),
(3, 'Mariana', 120.00),
(4, 'Luiz', 150.00),
(5, 'Flávia', 150.00),
(6, 'Otavio', 150.00),
(7, 'Lucia', 150.00)
GO

--C1

SELECT NOME FROM EMPREGADO WHERE CODIGO in (
	(SELECT CODIGO FROM EMPREGADO)
	EXCEPT
	(SELECT E1.CODIGO FROM EMPREGADO E1, EMPREGADO E2 WHERE E1.SALARIO < E2.SALARIO)
)

--C2 | Resultado igual a C1

SELECT NOME FROM EMPREGADO WHERE SALARIO = (
	SELECT MAX(SALARIO) FROM EMPREGADO
)

--C3 | Resultado igual a C1, C2

SELECT NOME FROM EMPREGADO WHERE SALARIO >= ALL (
	SELECT SALARIO FROM EMPREGADO
)

--C4 | Resultado diferente

SELECT NOME FROM EMPREGADO
WHERE CODIGO IN (
	SELECT E1.CODIGO
	FROM EMPREGADO E1, EMPREGADO E2
	WHERE E1.SALARIO > E2.SALARIO
)

Agora que sabemos quais as respostas corretas (C1, C2, C3), vamos pensar um pouco sobre estas consultas na vida real:

A primeira consulta é muito complexa para obter um resultado simples, além de ser difícil ser otimizada (sim, este JOIN de uma tabela com ela mesma e o EXCEPT assustam).

A terceira consulta não é complexa, mas pode assustar pessoas que não conhecem SQL (ALL e subquery), por outro lado, também não oferece muitas alternativas para ser otimizada.

A segunda é simples e exige pouco esforço para ser otimizada (índice sobre a coluna salário e um include da coluna nome já resolve), logo poderíamos dizer que é a alternativa mais adequada para obter este tipo de resultado.

Fiquem a vontade de comentar ou enviar outras questões!

Referências:

Prova do POSCOMP 2011:
http://www.cops.uel.br/concursos/112_poscomp_2011/11201.PDF

Livros para os exames 70-445, 70-446 e 70-448

Boa tarde pessoas!

Como normalmente me questionam por onde começar a estudar para as provas de business intelligence do SQL Server 2005 (MCTS e MCITP) e 2008 (MCTS), relacionei alguns livros muito bons para este objetivo.

Posso ser um pouco atrevido em dizer que se você estudou para a 70-445, não terá muita dificuldade em passar na 70-448, pois não existem grandes mudanças nos tópicos que os dois exames tratam, e o livro oficial da 70-445 será seu melhor guia.

Em relação a 70-446, não há livro oficial, só treinamentos oficiais para se preparar. Sei que é necessário ler muitos livros e conhecer bem a biblioteca do MSDN sobre SQL Server Analysis Services, mas Integration Services e Reporting Services só a prática poderá ajudar.

Livros recomendados para a 70-445 e 70-448:

Visão geral e introdução:

Microsoft Press MCTS 70-445 SQL Server 2005 Business Intelligence

Microsoft Press SQL Server 2005 Analysis Services Step By Step

Integration Services:

Wiley SQL Server 2008 Integration Services

Reporting Sevices:

Apress Pro SQL Server 2008 Reporting Services 

Livros recomendados para a 70-446:

Visão geral e introdução:

Apress Foundations of SQL Server 2005 Business Intelligence

Integration Services:

Apress Pro SQL Server 2005 Integration Services

Analysis Services:

Wiley Datamining with SQL Server 2005

Sams Microsoft SQL Server 2005 Analysis Services

Comentários finais:

Se você se deparar com questões muito longas e pouco tempo para respondê-las, procure ler primeiro as perguntas, depois uma leitura “na diagonal” do cenário facilitará identificar os pontos chaves para as respostas.

Infelizmente ainda não fiz a 70-452, pois estou me dedicando em algumas atividades acadêmicas e idiomas, mas até o final do ano espero trazer notícias sobre esta prova!

Exames betas para SharePoint 2010

Então pessoal, finalmente saíram os exames betas do Microsoft SharePoint 2010, disponíveis até a segunda semana de junho deste ano.

A melhor novidade é a divisão das linhas de certificação de Administração (MCTS, MCITP) e Desenvolvimento (MCTS, MCPD*), que não era tão clara para o pessoal do SharePoint 3.0 e 2007, que viram algumas MCTS, mas sem um path adequado para se pensar nas MCM e MCA desta tecnologia.

  • 71-667: TS: Microsoft SharePoint 2010, Configuring:
    • MCTS: Microsoft SharePoint 2010, Configuring
    • MCITP: SharePoint Administrator 2010
  • 71-668: Pro: Microsoft SharePoint 2010, Administrator:
    • MCITP: SharePoint Administrator 2010
  • 71-573: TS Microsoft SharePoint 2010, Application Development:
    • MCTS: SharePoint 2010 Developer
    • MCPD*: SharePoint Server 2010 Developer
  • 71-576: Pro: Designing and Developing Microsoft SharePoint 2010 Applications:
    • MCPD*: SharePoint Server 2010 Developer

Segue o link para mais informações sobre os exames:
http://blogs.technet.com/betaexams/archive/2010/05/19/register-for-sharepoint-2010-beta-exams.aspx

Beta Exam: Visual Studio 2010 and .NET Framework 4.0

Caros desenvolvedores do Universo .NET, inicia uma nova batalha!

Eis que surgem os exames beta do Visual Studio 2010 e .NET Framework 4.0! Abaixo a lista de provas:

  • 70-511 TS: Windows Applications Development with Microsoft® .NET Framework 4
  • 70-513 TS: Windows Communication Foundation Development with Microsoft® .NET Framework 4
  • 70-515 TS: Web Applications Development with Microsoft® .NET Framework 4
  • 70-516 TS: Accessing Data with Microsoft® .NET Framework 4
  • 70-519 Pro: Designing and Developing Web Applications using Microsoft® .NET Framework 4
  • 70-518 Pro: Designing and Developing Windows® Applications using Microsoft .NET Framework 4

Aceitem os desafios e provem seu valor!

– – – – EDIT 19/03/2010 – – – –

Maiores detalhes:

Register for Visual Studio 2010 Beta Exams – Promotional Codes:
http://blogs.technet.com/betaexams/archive/2010/03/17/register-for-visual-studio-2010-beta-exams.aspx

Certification roadmap – Visual Studio 2010:
http://bit.ly/aRH3QO

Eduardo Ordine – Paths e Provas Betas:
http://bit.ly/boamh0

Beta Exam: Visual Studio 2010 and .NET Framework 4.0

Caros desenvolvedores do Universo .NET, inicia uma nova batalha!

Eis que surgem os exames beta do Visual Studio 2010 e .NET Framework 4.0! Abaixo a lista de provas:

  • 70-511 TS: Windows Applications Development with Microsoft® .NET Framework 4
  • 70-513 TS: Windows Communication Foundation Development with Microsoft® .NET Framework 4
  • 70-515 TS: Web Applications Development with Microsoft® .NET Framework 4
  • 70-516 TS: Accessing Data with Microsoft® .NET Framework 4
  • 70-519 Pro: Designing and Developing Web Applications using Microsoft® .NET Framework 4
  • 70-518 Pro: Designing and Developing Windows® Applications using Microsoft .NET Framework 4

Aceitem os desafios e provem seu valor!

– – – – EDIT 19/03/2010 – – – –

Maiores detalhes:

Register for Visual Studio 2010 Beta Exams – Promotional Codes:
http://blogs.technet.com/betaexams/archive/2010/03/17/register-for-visual-studio-2010-beta-exams.aspx

Certification roadmap – Visual Studio 2010:
http://bit.ly/aRH3QO

Eduardo Ordine – Paths e Provas Betas:
http://bit.ly/boamh0