Carreiras e barreiras, rumo ao crescimento

A carreira de qualquer profissional é marcada por diversas mudanças nas suas competências e carreira, exigindo dele uma dedicação para se atualizar e sempre se especializar na área que atua ou deseja atuar. Mas a atualização e especialização deste profissional encontram algumas barreiras que inibem o crescimento, e muitas vezes estas barreiras são criadas pelas próprias empresas.

Conhecendo as barreiras:

Um das barreiras é dificuldade de determinar sua carreira, tornando o profissional um pouco competente em várias áreas, mas nunca se destacando em nenhuma. No início da formação de qualquer profissional pode ser comum mudanças de funções, áreas e até mesmo de empresas, mas é necessário que ele identifique onde deseja se destacar e lutar por isso, pois a falta de destaque não permite a visibilidade deste profissional nas organizações.

A segundo barreira é a falta de equilíbrio entre as competências interpessoais e técnicas, aqui identificamos os profissionais tecnicamente bons, mas que em alguns aspectos de sua personalidade prejudicam sua própria carreira, até mesmo é encontrado o contrário, como o profissional bem sociável, mas que não tem competências para realizar seu trabalho (algumas vezes se tornando “sanguessuga” das competências alheias).

Falando agora sobre barreiras entre o profissional e empresas, a terceira é caracterizada pelo conflito entre a carreira desejada pelo profissional e a carreira permitida pela organização (ex.: a empresa propõe a gestão de TI, o profissional deseja a arquitetura de software). Esta barreira é um grande motivador para o profissional buscar em outras organizações a realização do seu desejo, pois continuar na mesma organização só será possível seguindo a carreira que lhe é imposta (profissionais que trabalham somente por obrigação, não são elementos saudáveis para a organização, nem mesmo para o próprio profissional). Também há algumas situações na qual o profissional consegue conciliar o seu desejo com a organização que atua, mas este caminho é complicado, pois poderá entrar em conflito com a cultura organizacional.

A quarta barreira é falta de oportunidades para profissionais inexperientes, pois muitos profissionais que atuam em uma determinada área (ex.: desenvolvimento) ou que acabaram de iniciar suas vidas acadêmicas, mas desejam seguir uma segunda área (ex.: gestão de projetos). Pois esta barreia chama “experiência mínima” e “falta de oportunidades de aprendizado” no momento que estiverem buscando uma oportunidade na área que deseja atuar. Esta barreira poderá ser transposta, quando este profissional aproveita as oportunidades de se destacar na área deseja atuar (estágios).

Confrontando barreiras e conciliando desejos:

Empresas que buscam conciliar os desejos de seus profissionais com a oportunidade de crescimento deste na empresa, permitem adquirir a satisfação do seu pessoal, além de desenvolver novas competências. Mas isso não quer dizer que todos aqueles que desejam seguir uma determinada carreira poderão segui-la, visto que existe uma barreira que é caracterizada pelas competências mínimas para atuação na área desejada e outra barreira que determinada pela saturação de uma determinada área de atuação na organização ou no mercado.

A fim de evitar confrontar estas barreiras, muitos profissionais permitem a estagnação de seu sonho, aceitando o que lhe é proposto ou cômodo. Por parte das empresas, a morte destes potenciais tem como resultado a perda da oportunidade de adquirir novas competências e aprimorar as que possuem, e por conseqüência aceitando seu declínio. Mas uma boa comunicação entre a organização e o profissional pode evitar este declínio, mas cabe uma das partes tomar a iniciativa de começar esta comunicação.

Uma forma de evitar o declínio dos profissionais e organizações é a mudança cultural, incentivando a identificação do profissional com a organização e guiá-lo a entender seu papel como colaborador da estratégia organizacional, não iludi-lo, mas torná-lo parte da estratégia.

Impulsionar o profissional para o aprendizado, seja na área de tecnologia, gestão ou simplesmente guiá-los a serem pessoas melhores ou até mesmo cuidar da própria saúde, permitem o nascimento de novas competências, lembrando que é necessário a organização aprender a conciliar os desejos deste profissional com a estratégia organizacional. Com pessoas motivadas por serem parte da estratégia organizacional, a possibilidade de crescimento da organização e das pessoas que a compõe poderá ser imensurável.

“Hoje há um problema: pobre só anda com pobre. As pessoas têm de buscar amigos entusiasmados com o futuro. Se você anda com pessoas que são pessimistas, nunca vai ter nada.” Robert Kiyosaki

Anúncios

2 pensamentos sobre “Carreiras e barreiras, rumo ao crescimento

  1. Falou e disse, excelente post, posso me identificar em diversas partes do mesmo! Pena que hoje em dia essas barreiras só dendem a crescer e se fortalecer sendo inviável transpor ou bater de frente!

  2. Muito bom, realmente é dessa maneira que eu penso também. Empresas inteligentes investem nas pessoas, não somente tecnicamente, mas sim em vontades pessoais… para muitos isso é desperdício, mas é impressionante como essa atitude reflete em resultados positivos. Transparência é tudo, não iludir o empregado e não prometer o que não será cumprido é o mínimo de respeito que um profissional merece.

    Parabéns pelo post.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s